A VW tem medo de multas pesadas se publicar resultados da sonda de emissões

Editora: Anna
tempo: 2017-05-11


HANOVER, Alemanha - A Volkswagen AG não publicará um relatório final com as conclusões de uma investigação externa sobre seu escândalo de emissões de diesel conduzido pelo escritório de advocacia norte-americano Jones Day.

O presidente da VW, Hans Dieter Poetsch, elogiou a sonda do Jones Day como "uma das mais abrangentes na história corporativa alemã", mas disse que a VW arriscaria multas pesadas e possivelmente mais ações judiciais se concordasse em as demandas.

"Estou ciente de que alguns desejam uma maior transparência. Muitas vezes, a publicação de um relatório completo é exigida", disse Poetsch. "Para ser claro: não há relatório final escrito do Jones Day, nem haverá. Peço sua compreensão de que, por razões legais, a Volkswagen está impedida de publicar qualquer relatório desse tipo ".

Poetsch disse que a VW arriscaria "multas maciças" se o relatório fosse publicado. Apesar da liquidação da montadora com o Departamento de Justiça dos EUA, há muitos litígios civis em curso e pesquisas oficiais ainda estão pendentes.

O acordo da VW com o governo dos EUA impede que ele se desvie das conclusões oficiais publicadas pelo Departamento de Justiça na chamada "Declaração dos fatos".

Os investidores na reunião ficaram descontentes com a explicação e continuaram a pressionar para que o relatório fosse publicado.

A empresa de consultoria de investimentos Hermes EOS disse que revelar as descobertas do relatório permitiria que a VW passasse de sua maior crise corporativa.

O representante da Hermes, Hans-Christoph Hirt, disse que a declaração de fatos não substitui um relatório completo. "Essa é a única maneira de recuperar a confiança perdida", disse ele.

Christian Strenger, advogado dos direitos dos acionistas e especialista alemão em governança corporativa, exigiu que a administração e os diretores "colocassem todos os cartões na mesa", uma vez que existe uma porta traseira legal que permite explicitamente à VW a opção de publicar novas informações. "Sob o acordo de súplica, os EUA têm o direito de ver as descobertas e concordam antecipadamente", disse ele.

"Sua referência à declaração de fatos acordada nos EUA é completamente insuficiente e quase insultante para todos aqueles que estão interessados ​​em esclarecimentos completos de responsabilidades", disse Strenger, um membro do conselho de supervisão da DWS Deutsche Asset Management.

Logo depois que o escândalo entrou em erupção em 2015, a VW prometeu informar os acionistas sobre os resultados do relatório do Jones Day, que foi usado como base para um acordo de US $ 4,3 bilhões com o Departamento de Justiça.

O CEO Matthias Mueller disse que a VW apoiaria "sem reservas" Larry Thompson, ex-procurador-geral dos EUA, que foi escolhido pelo Departamento de Justiça para supervisionar a empresa por três anos. Thompson e sua equipe terão acesso aos documentos da VW e avaliarão os esforços de seu conselho de administração e administração superior para cumprir as leis ambientais.

No total, a VW concordou em gastar até US $ 25 bilhões nos EUA para atender reclamações de proprietários, reguladores ambientais, estados e revendedores e ofereceu para comprar cerca de 500 mil veículos poluentes no mercado.

"Vejo isso como uma oportunidade", disse Mueller. "O trabalho do monitor pode e contribuirá para gerar gerenciamento de riscos, conformidade e integridade dentro do grupo para novos níveis".

Ultimo:As montadoras do Japão se esforçam para preencher o fosso do caminhão.

Proximo:A EPA reabrirá a revisão das regras de emissões de 2025